25 junho, 2012

De volta às raízes - Danúbio Gonçalves e Ana Clara Garmendia

Comentei que estou organizando um novo sorteio em parceria com o blog Mon Maternité, da Marcella Stelle. Como aquecimento, iremos trocar posts e estilos. O blog dela é bem pessoal e fala sobre sua experiência como nova mamãe. Por isso, escrevi o post abaixo ao estilo Mon Maternité. Depois, a Marcella irá escrever o seu post ao estilo Shakespeare de Batom para publicar aqui e no seu blog. Adorei a experiência de poder expor um pouco mais os pensamentos. Escrevo sobre a minha própria história e minha família, comentando sobre quem me influencia no mundo da arte e a fonte do meu amor pela moda. Vocês curtem a ideia? Vamos lá.


Desde a infância estive ligada ao mundo das artes. Era daquelas crianças que fazem praticamente todas as atividades extra curriculares. Piano, coral, pintura, ginástica olímpica, teatro, canto, ballet, sapateado. Hoje sou o tipo de adulta que está envolvida com várias coisas ao mesmo tempo. Acontece que, para mim, o cotidiano não tem graça. De que valem 24 horas se não houver pelo menos 3 minutos de música? Gosto muito quando discuto com os colegas sobre a função da arte. Um engenheiro tem uma bem definida: constrói um prédio onde irão morar muitas pessoas, por exemplo. Mas e a arte? Na peça VOZ! que escrevi e dirigi no ano passado, um personagem já refletia sobre:


"Não vejo muita coisa na arte, acho que tem tanta coisa mais produtiva para fazer, sabe? Para que serve a arte, afinal? Um quadro no museu não alimenta ninguém, uma peça de teatro não cura doenças." 

Não, essa não é a minha opinião, é apenas um questionamento. Na verdade, a arte alimenta a alma. A arte completa a vida. É assim para mim, desde sempre e para sempre. 
Quando se falava em arte na minha casa, sempre era mencionado meu tio Danúbio, primo irmão do meu avó. Danúbio Gonçalves é artista plástico nascido em Bagé em 1925. Estudou com Cândido Portinari e esteve cercado por outros artistas, como Carlos Scliar e Iberê Camargo. Muitos dizem que sua obra não pode ser dissociada do engajamento político, defendendo uma arte regional e de cunho social. Enfim, tive o privilégio de crescer rodeada por seu trabalho, tanto pinturas como xilogravuras. 






Inclusive esteve em cartaz este mês o documentário Danúbio, uma parceria entre o diretor de cinema Henrique de Freitas Lima e Danúbio Gonçalves. Mais informações, confere aqui ou aqui. Enquanto isso, assiste um video sobre o artista.






Como é rico poder crescer em uma casa onde a arte é valorizada. Confere as obras que estão na minha sala. A primeira é um retrato da minha mãe na adolescência, depois uma gravura, e os dois últimos são cartões postais do tio Danúbio para meu avô.


Por outro lado, convivendo com as mulheres da família, a vaidade também era assunto recorrente. Minha mãe era chamada de Penélope Charmosa na escola e acredito que ela me via como seu projeto pessoal de moda. Lembro quando me obrigava a usar vestidos e eu odiava porque não podia correr com os meninos. Lembro também da agonia ao vestir (forçada) uma meia-calça ou um laço no cabelo. Tanto minha mãe fez que conseguiu, criou um monstrinho. Lá pelos quatorze anos virei a menina mais "perua" que você pode imaginar. Tudo era rosa, inclusive a parede do meu quarto que eu (muito criativa!) pintei e adicionei glitter. Você já viu uma parede com glitter? Eu tinha no meu quarto. Aos treze eu já sonhava com minha primeira bolsa Dior, desejo realizado anos depois na formatura da faculdade. Minha tia, irmã da minha mãe, trabalhava como jornalista de moda em Curitiba e também cresci nesse meio. Perambulava com ela por todos os eventos fashion da cidade como uma pequena aprendiz do Diabo Veste Prada. A tia que menciono é a Ana Clara Garmendia, jornalista de moda, uma das poucas no Brasil credenciada pela Câmara de Moda Francesa. Hoje em dia, ela colabora para a Vogue Brasil, Vogue.it, Style.com, entre outros, com seu trabalho de fotógrafa de streetsyle internacional. Conheça o trabalho dela no blog Moda Paris. Pode chamar de nepotismo, eu sou fã declarada da minha tia.




O que mais respeito e admiro no trabalho da Nana é sua maneira libertária de encarar a moda. Totalmente contra regras e conceitos pré-estabelecidos, ela nunca irá dizer a alguém que tal peça não se usa ou que baixinhas não podem usar certos tipos de saia. Pelo contrário, aos seus olhos levemente anarquistas, tudo é absolutamente "usável", desde que respeite o seu jeito de agir individualmente. Levo essa visão comigo. Na moda e em todos os outros aspectos. Absolutamente tudo pode ser válido se fizer sentido para você; e se não prejudicar ninguém diga-se de passagem. 




Essas são as minhas origens e possíveis explicações para o meu jeito de ser e de pensar o mundo. E você? Qual ensinamento de família carrega? Quem influencia ou influenciou você nas suas escolhas e na sua maneira de pensar? Comenta aqui no blog.




*** Texto publicado originalmente no blog Mon Maternité.

21 junho, 2012

Maternidade e Feminilidade - especial Mon Maternité


Comentei que estou organizando um novo sorteio em parceria com o blog Mon Maternité, da Marcella Stelle. Como aquecimento, iremos trocar posts e estilos. O blog dela é bem pessoal e fala sobre sua experiência como nova mamãe. Por isso, para vocês conhecerem o trabalho dela, ela escreveu um post ao estilo Shakespeare de Batom. Espero que gostem, eu sou fã da Marcella tanto pela sua dedicação à maternidade quanto pela sua coragem de dividir com tanta honestidade seus sentimentos. 


Para ler o meu post no Mon Maternité, clica aqui.








Maternidade está na moda!

Foi há quase quatro anos que minha vida mudou. Tudo o que era útil e indispensável se tornou fútil e dispensável, inclusive minha auto estima, infelizmente!

Esqueci de me apresentar, sou Marcella Cerci Stelle, vinte e quatro anos, casada há um e mamãe de uma princesa há três. Costumo dizer  que sou a prova de que a ordem dos fatores não altera (tanto) o produto. Me descobri grávida quase aos cinco meses de gestação, no meio da faculdade de jornalismo e namorando aquele que eu sonhava um dia ser meu marido e construir uma família. Tudo foi atropelado e precisei esquecer a juventude e os sonhos para viver a vida real, daquelas nada glamorosas!

Durante a curta gestação, não sabia (na verdade nem queria saber) que poderia ser jovem, estar grávida e ser feliz. Para mim essas três coisas não desfilavam juntas, elas eram opostas.

Quando minha princesa nasceu, o que era ruim ficou pior! SIM ... se você é daquelas que não acreditam nas leis de Murphy, estou aqui para fazê-las acreditar que elas existem, afinal “Nada é tão ruim que não possa piorar” e eu piorei! Consegui engordar quilos e mais quilos, muito mais do que no dia em que minha filha chegou ao mundo, por exemplo! Maquilagens, roupas bonitas e sair com as amigas, isso não me pertencia mais! Eu desejava apenas ficar dentro de casa, se possível no quarto e sozinha! Se isso foi depressão pós parto ou revolta, eu não sei ... mas sei que poderia perfeitamente ser protagonista de qualquer filme de Alfred Hitchcock.

O tempo foi passando, a vida foi tomando jeito, cor, e aquilo que parecia um inverno cheio de chuva e frio, foram virando primavera rumo à um verão deliciosamente maravilhoso!




Durante um ano eu me anulei como mulher! Eu desejava apenas ser mais uma no meio da multidão. Mas eu sabia que precisava mudar, afinal de contas, com que orgulho, com que vontade Sophia, minha filha, iria me mostrar para as amigas e dizer: aquela é a minha mamãe?!

Foi então que eu decidi que era hora de mudar, de tirar tudo o que era ruim e transformar em coisas lindas e maravilhosas. Foi então que em dois de fevereiro de 2011 eu construí o Mon Maternité [www.monmaternite.com], um blog que tem como princípio “Compartilhar, Aprender e Ensinar a benção da maternidade”. Com ele, tive a liberdade e libertação sobre uma velha vida que vivia. Aprendi que para ser exemplo, para ter autoridade para compartilhar, deveria viver. Foi então que desejei emagrecer e voltar a vida que tinha antes da gestação, e que não deveria ter deixado para trás jamais!



Estar grávida não significa estar doente, em absolutamente nada! Se seu obstetra orientou que deixasse de pintar ou cabelo ou retocar as luzes, tudo bem, as mechas californianas estão em alta! Engordou um pouco mais do que deveria, assuma isso como uma situação temporária, não uma condição permanente. As roupas do armário não servem mais, invista um pouco em roupas próprias para gestante! Saia, divirta-se, aproveite os dias com o baby dentro da barriga, é maravilhoso ser cuidada, paparicada e ser o centro das atenções. Se dê ao luxo de banhos um pouco mais demorados, cuide da pele, do cabelo. Estar grávida é um momento sublime, maravilhoso ... mas muitas vezes a situação não nos deixa enxergar o colorido do ser mãe!



O Mon Maternité, minha maternidade em francês, nasceu para que eu me libertasse e pudesse libertar tantas outras mulheres que se veem mães sem estarem cientes nem preparadas para essa nova fase da vida. Não são apenas os blogs de moda, estilo e comportamento de ditam as novas tendências, nós, mamães blogueiras também estamos crescendo e invadindo o mundo virtual dos desejos reais.

À convide da Luiza, minha amiga, minha irmã do coração que escolhi para a vida inteira, e do Shakespeare de Batom que aceitei estar aqui, mostrando que ser mamãe é in, é cult, é must have ... é maravilhoso, é benção, é felicidade!




Espero que tenham gostado de ler as lindas palavras da Marcella. Isso é apenas o início de uma parceria entre os blogs que revela a parceria de uma vida inteira. Crescemos juntas, brincamos juntos, nos tornamos adultas juntas. E assim continuamos... 

19 junho, 2012

Favoritos de Viagem - Cosméticos, Livros e Lembranças

Muito atrasado, mas ainda assim está valendo. Algumas meninas me perguntaram quais meus produtos preferidos para comprar no exterior. Para essa viagem mais recente, não fui pensando em compras, afinal, eram férias para a gente se divertir com experiências e, para mim, elas são muito mais válidas do que qualquer coisa que eu traga de viagem. Não tenho muito paciência para ficar garimpando e, por incrível que pareça, os shoppings me cansam. Chega um ponto em que todas as lojas e produtos parecem iguais e eu levo aquele que já está na minha cesta. Mas claro, passando por Orlando, não tem como não se jogar nas compras. Bem, L'Occitane é sempre minha primeira parada. Compartilho com vocês o que eu acho de melhor que são os sais de banho esfoliantes de verbena. Outra loja para qual eu vou correndo é Swarovski. Dessa vez, comprei coisas bem básicas, pulseiras, brincos e colar para usar todos os dias. 



Na Sephora, trouxe meus preferidos da Benefit: o POREfessional, que ajuda a fechar os poros da pele e o Confessions of a Concealaholic, uma paleta de corretivos que vem também com o iluminador That Gal. Tenho também o Girl Meets Pearl que é melhor ainda, mas não está na foto. Encontrei também a Soap & Glory, uma marca muito fofa. As embalagens são todas ao estilo retrô e os nomes dos produtos são incríveis. Meu preferido é o esfoliante Scrub 'Em and Leave 'Em, tem um cheirinho de frutas. O favorito de todos, foi o aparelho esfoliante facial da Neutrogena que é um aparelho ao estilo do Cleansing and Polishing Tool da Sigma. Estou adorando, achei a qualidade ótima, sem contar que o preço é bem interessante.  Ah, na terceira imagem, está o kit de carimbos para as unhas, comprei o kit de flores, lindo e super fácil de fazer. Nas compras de farmácia, trouxe meu estoque de acelerador de bronzeamento da Australian Gold, as canetas esmalte da Sally Hansen (já mostrei no post anterior). Não podem faltar os mimos Victoria's Secret, eu fiquei só com o óleo bifásico e o creme iluminador porque trouxe mais para presentear. Ah, encontrei também o corretivo Bobbi Brown que estava procurando há tempos. E no DutyFree, achei o hidratante do perfume que eu uso, Chance Eau Tendre.


E claro, nem só cosméticos são itens bons para trazer de viagem. Eu não resisti e comprei essa claquete no parque Disney Hollywood Studios, eu guardo ao lado da estrela da calçada da fama, um souvenir de L.A. Depois, a máscara da minha coleção do Cirque Du Soleil, aliás, eles estão aqui em Curitiba com o show Varekai. Em breve falarei sobre, fui em dois dias e estava lindo demais! Ali no Instagram, postei algumas imagens. Por fim, sempre trago livros e revistas. Comprei dois de estilo bem adolescentes e práticos, o Style Yourself e o Seventeen Guide to Style. O outro livro se chama The Big Ass Book of Crafts e é um manual de DIY, ensina a fazer praticamente tudo que você imagina. 




E você? O que não resiste em comprar quando está viajando? Qual loja é a sua primeira parada? Comenta aqui no blog.


Ah, queridos, se você gosta do blog, please, não esquece de curtir no Facebook. É só clicar em "curtir" na barra do FB ao lado direito do blog. Obrigada!!!

13 junho, 2012

Pietra's Nail Bar e Unhas Independentes

Sabe aquele lugar tranquilo, bem decorado, charmoso em que você consegue conversar com as amigas e fazer as unhas (e o melhor!) sem barulho de secador de cabelo? Febre no exterior, o conceito de nail bar (bar das unhas, em inglês bruto), chegou em Curitiba essa semana. A proposta desse tipo de espaço é oferecer serviços de manicure e pedicure, desde o tradicional até os "hits", como as unhas de caviar, de pelúcia, unhas ombré, além de esmaltes nacionais e importados. Voltando para Curitiba, o Pietra's Nail Bar, localizado no Batel, é super charmoso e promete agradar meninas e meninos, pois há um espaço reservado para eles. Conversando na inauguração, vi que o mais legal é a possibilidade de reservar o espaço para um grupo fechado de amigas. Adorei, imagino que as meninas vão gostar também. Fiquei enlouquecida com as várias prateleiras de esmaltes. Lá, também tem kits de lixa de cristal e outros mimos para presentear as amigas, veja na segunda imagem. Confere todas as fotos do Pietra's Nail Bar no Instagram. Vocês curtem ver fotos dos eventos desse jeito?


Bem, o que eu vou desabafar agora pode parecer um pouco estranho, mas talvez alguém se identifique com o "depoimento". Até porque é um paralelo debochado de mim mesma.  Estou vivendo a fase de procurar minha independência, trabalhando cada vez mais, pensando no futuro e realmente trilhando minha própria vida. Pode até parecer "Alice" da minha parte, perdoem, mas percebi o quão dependente eu sempre fui dos serviços do salão de beleza. Na adolescência, cheguei a fazer escova no salão da praia. Isso mudou na semana passada quando decidi, inspirada por amigas independentes, que iria pintar eu minhas unhas sozinha. Depois de passar um curto período de tempo sem a família no exterior, confesso que estava um trapo; esmalte descascado, cabelos arrepiados e nem posso mencionar a sobrancelha que já ganhava vida própria. Aí pensei que não poderia ficar assim para sempre. Já pensou quando eu for para a África (minha viagem dos sonhos)? Vou perder tempo de passeios para ficar no salão? Por isso, posso contar que fiz as pazes com meu cabelo, até gosto dele ondulado agora; que não deixo mais esmalte descascado porque troco de cor entre uma ida ao salão e outra (ok, admito, só aprendi a pintar as unhas, nunca vou tirar cutícula e tudo mais); bem, a sobrancelha, ainda deixo apenas um profissional encostar nela, um passo de cada vez. Olha só minha crescente coleção de esmaltes, meu preferido é esse de glitter dourado Mavala, para comprar na Sepha. O melhor são essas canetas Sally Hansen, foi assim que comecei.


Bem, como nunca vou conseguir fazer uma unha francesinha eu mesma, amanhã vou ao Pietra's Nail Bar me preparar para o Cirque Du Soleil. 


E você? Consegue se embelezar sozinha? Frequenta Nail Bar? Estão curtindo ver os eventos por aqui? Comenta aqui no blog.

07 junho, 2012

Resultado - 1º Sorteio Shakespeare de Batom

Muito obrigada a todos que participaram do 1º Sorteio do Shakespeare de Batom. Ao total, foram 815 inscrições. Eu confesso que não imaginava que teria tanta repercussão e por isso eu agradeço muito. Não somente com relação ao sorteio, mas também pelo carinho que todos tem demonstrado ao longo desses quase cinco meses de blog. Tudo está acontecendo mais rápido do que poderia imaginar. E eu adoro isso. É muito bom ter a oportunidade de compartilhar meus pensamentos e minhas "conexões" entre tudo que observo. 
Então, vamos ao resultado






A ganhadora do kit de maquiagem de viagem MAC + par de luvas Spa Sister + bálsamo para os lábios + livro É Tudo Tão Simples, da Danuza Leão é...


Raissa Nogueira! Parabéns, querida. Entrarei em contato via e-mail para enviar o seu kit do sorteio. 


Obrigada, mais uma vez, a todos que participaram. E fiquem ligados, em breve teremos um novo sorteio em parceria com o blog Mon Maternité, da Marcella Stelle. Estamos preparando presentes com muito carinho. Ah, ela escreve sobre maternidade sem perder toda a vaidade feminina, vale muito a pena conhecer.



04 junho, 2012

A grife é... Pink Floyd

Sabe aquele filme que você assiste mil vezes e toda vez parece novidade? Para mim, The Wall é assim. Adoro o filme de 1982, dirigido por Alan Parker e escrito por Roger Waters, com músicas do Pink Floyd. Não apenas a cena da música Another Break in the Wall em que as crianças quebram a escola e a máquina de reproduzir seres humanos em série, mas sim o filme inteiro, cada detalhe, cada metáforaO filme (um dos meus preferidos!) conta a história de Pink, interpretado por Bob Geldof, um jovem roqueiro depressivo com reflexões sobre a guerra, a sociedade, a escola, a família, que constrói seu muro (the wall, em inglês), uma metáfora para o isolamento. Eu também vejo o muro como uma maneira de prisão e uma falta de capacidade de enxergar saídas. Para quem deseja saber mais, eu gosto do site The Wall Analysis.




Os trechos de animação, dirigidos por Gerald Scarfe, são os meus preferidos, pois acho que eles realmente conseguem transmitir as idéias mais elaboradas. A cena das flores é belíssima e cheia de metáforas, forte e simbólica. Vale a pena assistir até o final. Aliás, vale a pena assistir ao filme todo. A música ao fundo é What Shall We Do Now?. A tradução é do site Vagalume, está um pouco "ao pé da letra", mas vale mesmo assim. Aqui, o início: O que devemos usar para preencher os espaços vazios? Onde ondas de fome urram? Devemos atravessar o mar de rostos? Em busca de mais e mais aplausos?




Adoro todo o tom de questionamento da sociedade no filme. Por outro lado (e acho que aqui mora a minha grande incoerência, ou talvez não, eu apenas gosto de perambular em diversas linhas de pensamento), vivemos no mundo do consumo e da moda. Então, perdoem-me. Inspirada nas flores (apenas!), aqui vai um look com o Dark Floral, nada mais do que a estampa floral em tonalidades mais escuras. Adoro. Inclusive hoje chegou um tênis assim que comprei na internet. A inspiração já está no ar. Escolhi deixar os tons pastéis com uma camisa Alexander McQueen, blazer branco e acessórios nos mesmos tons. Duas opções de sapatos e de bolsas, a preta é Hermès e a rosa Michael Kors. Eu sei, esse look está muito conservador para ser inspirado em Pink Floyd, mas usei apenas as flores como temática. Ainda farei mais alguns posts sobre as músicas da banda.


Para comprar o filme em DVD, na Livraria Cultura.


E você? Gosta de dark floral? Curte o som e as ideias do Pink Floyd? Já assistiu The Wall? O que achou? Deixa sua opinião nos comentários aqui do blog.








SÓ ATÉ QUARTA-FEIRA! 



E não deixa de participar do 1º Sorteio do Shakespeare de Batom Beleza com Conteúdo. Até dia 6 de junho! Todas as regras e formulário para inscrição no sorteio, clica aqui. Quero muito agradecer a todos os leitores e participantes do sorteio. Comemoro cada inscrição com muita alegria! O blog é uma manifestação bem pessoal do meu jeito de enxergar a moda, a beleza, a arte e tem apresentado reações positivas, por isso, muito obrigada.